Atividade física pode evitar 10 mil casos de câncer ao ano no Brasil

Cerca de 10 mil novos casos de câncer, entre eles o de mama e o de cólon, poderiam ser evitados no Brasil se houvesse mais adesão à prática da atividade física entre a população. Os resultados fazem parte de uma pesquisa feita no Departamento de Medicina Preventiva da Faculdade de Medicina da USP (FMUSP), em parceria com a Universidade de Harvard, Universidade de Cambridge e Universidade de Queensland. Um artigo sobre o assunto foi publicado na revista científica internacional Cancer Epidemiology em julho de 2018.

Os dados sobre a falta de atividade física da população brasileira são alarmantes. Na última pesquisa realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em 2013, mostra que aproximadamente metade das pessoas sequer atingiu a recomendação mínima preconizada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) para a prática por semana, ou seja, 150 minutos de atividade moderada ou 75 minutos em ritmo mais intenso. As mulheres estão em desvantagem em relação aos homens. É maior o número de mulheres que não se exercitam, cerca de 51%, enquanto os homens, é de 43%.


O de mama e o de cólon são os cânceres mais comuns e que poderiam ser evitados caso houvesse a prática regular de atividade física entre a população, segundo Leandro Fórnias Machado Rezende, um dos autores da pesquisa – Foto: Acervo pessoal

De acordo com Leandro Fórnias Machado de Rezende, um dos autores do estudo, a pesquisa utilizou dados da prática de atividade física no Brasil, dados sobre risco de câncer associados à falta de atividade física de uma extensa revisão de literatura, além de dados sobre a incidência de câncer publicados pelo Inca e pela Agência Internacional de Pesquisa em Câncer. A partir desta análise, foram feitas diferentes estimativas de prevenção de câncer por meio da atividade física.

Segundo o Inca, o câncer de mama é o mais comum entre as mulheres no mundo e no Brasil, respondendo por cerca de 28% dos casos novos a cada ano. Em 2018, há uma estimativa de aproximadamente 60 mil novos casos. Já no câncer colorretal, os tumores acometem parte do intestino grosso (o cólon) e o reto. Grande parte desses tumores se inicia a partir de pólipos, lesões benignas que podem crescer na parede interna do intestino grosso e se tornarem malignos.  Em 2018, a estimativa é de 36 mil novos casos.

A prática regular da atividade física influencia no controle de peso e no nível de gordura, além de atuar diretamente sobre hormônios e marcadores inflamatórios. A falta dela aumenta o risco de incidência de alguns tipos de câncer, principalmente os que foram objetos de estudo, o de mama e o de cólon. A pesquisa trouxe mais detalhes sobre o assunto:  os pesquisadores concluíram que até 8.600 casos de câncer em mulheres e 1.700 casos de câncer em homens poderiam ter sido evitados simplesmente com o aumento dos exercícios semanais. Conforme afirma Rezende, esses casos correspondem à 19% da incidência de câncer de cólon e 12% de câncer de mama no Brasil.

Analisando os dados do ponto de vista geográfico, o Rio de Janeiro teria 1.244 casos evitáveis e São Paulo, outros 2.587 casos, se as pessoas se mantivessem mais ativas fisicamente. “Claro, falta tempo para se exercitar porque o estilo de vida mantido nas metrópoles quase que não permite conciliar trabalho, estudo e afazeres domésticos com prática regular de atividade física”, opina.

De acordo com Rezende, os pesquisadores que trabalharam nesse estudo acreditam que os números possivelmente podem estar subestimados, já que há estudos recentes sugerindo uma possível relação de atividade física com a redução do risco de até 13 tipos de câncer.

Com informações da Assessoria de Comunicação da Faculdade de Medicina

Câncer de mama aumenta entre mulheres mais jovens

15% das pacientes atendidas em hospital especializado de SP têm menos de 45 anos

O Icesp (Instituto do Câncer do Estado de São Paulo) levantou o perfil das mulheres que passaram pelo hospital para tratamento de câncer de mama. Entre as 2.573 pacientes atendidas nos quase três anos de funcionamento da instituição, 15% têm menos de 45 anos. A mais jovem tinha, na época em que recebeu o diagnóstico, apenas 19 anos.

O coordenador do Setor de Mastologia do Icesp, José Roberto Filassi, diz que esse levantamento será feito também para outros tipos de câncer. Mama foi o primeiro justamente porque a incidência está aumentando em mulheres em idade reprodutiva.

– Alguns defendem que há um aumento real, causado por mudanças de costumes. Outros dizem que os casos estão apenas sendo diagnosticados mais cedo. Os dois fatores pesam.

A grande preocupação é que a detecção da doença nas mulheres jovens é mais difícil. Primeiro porque elas não estão na idade em que exames são feitos rotineiramente e, mesmo quando a mamografia é realizada, a percepção do tumor é mais difícil.

Afonso Nazário, do Departamento de Ginecologia da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo), diz que a “mulher jovem tem muito tecido glandular e pouca gordura”.

– Isso dificulta a visualização dos sinais precoces do câncer.

Além disso, diz ele, o câncer de mama na mulher jovem costuma ser mais agressivo. Tem taxa de crescimento maior e mais risco de metástase. Mas, segundo Nazário, a incidência desse tipo de tumor cresce em todas as faixas etárias, não só em mulheres jovens.

 

Ipsis litteris do post original no site do R7

Câncer de mama aumenta entre mulheres mais jovens

4 de fevereiro, dia mundial da luta contra o câncer

Declaração Mundial Contra o Câncer



Você sabia que o câncer mata mais gente no mundo do que Aids, malária e tuberculose juntos?
E cânceres preveníveis e curáveis matam milhões de pessoas todo ano.

Mas existe algo que você pode fazer…

Com um simples ato você pode fazer a diferença!
Assinando a Declaração Mundial contra o Câncer você participa da comunidade global…
…comprometida em eliminar o câncer!

Como sua assinatura pode ajudar?
Força dos números!
Sua assinatura será apresentada aos governos…
no encontro de cúpula da ONU em setembro de 2011
Precisamos que os líderes no mundo se ergam…
e se mobilizem por um mundo livre do câncer!

Juntos somos mais fortes!

Assine agora por um mundo livre do câncer.

www.uicc.org/declaration

Oncologistas recomendam aos pacientes com câncer evitar o sedentarismo

O tratamento de pacientes portadores de tumores malignos abrange uma gama muito grande de modalidades: cirurgia, radioterapia (tratamento com radiação para destruir o tumor), quimioterapia convencional (tratamento com medicamentos para controlar os tumores e matar as células malignas), imunoterapia (tratamento que induz uma reação do sistema de defesa do organismo contra as células tumorais) ou uma associação dessas terapias. Muitos pacientes obtêm resultados positivos. Entre 50% e 60% vivem mais de três ou cinco anos após o término dos tratamentos, sem evidência de doença maligna detectável.

Os médicos oncologistas, especialistas no tratamento dos tumores, se esforçam para oferecer o tratamento mais adequado para cada paciente. Mas o que os pacientes poderiam fazer para melhorar suas chances de cura e controle da doença? Para responder a esta pergunta, um grupo de pesquisadores e especialistas, liderados pela professora Kathryn Schmitz, da Universidade da Pensilvânia, se reuniu a fim de encontrar evidências científicas que sugerissem ações eficientes. Após alguns anos de estudos e discussões, os especialistas publicaram recentemente, na revista médicaMedicine and Science in Sports and Exercise, as suas indicações.

Em resumo, a recomendação é para que os pacientes com câncer evitem o sedentarismo, mesmo durante o tratamento da doença. Se o oncologista não se opuser, os pacientes devem manter suas atividades físicas. Os estudos avaliados nesta pesquisa mostram que a atividade esportiva oferece vantagens tão claras para os pacientes com câncer quanto para aqueles que se curaram e receberam de seus médicos a recomendação do exercício físico como absoluta.

Por outro lado, ficou claro nesta publicação que pouco se sabe sobre os mecanismos exatos responsáveis pelos benefícios do exercício físico. Os esportistas com câncer têm melhor qualidade de vida, respondem mais frequentemente aos tratamentos e apresentam menor incidência de recidiva tumoral ou de aparecimento de novos cânceres. Apesar disso, exercício regular deve ser mantido ou iniciado por portadores de tumores malignos.

Fonte: Revista Carta Capital, sessão Sociedade

Mamão papaya ajuda no combate ao câncer

Por Flávio Fachel – Nova York, do Jornal Hoje, em 10/03/10 – 13h59

Cientistas da Universidade da Flórida usaram chá da folha do papaya para curar células doentes e deu certo.

Não é de hoje que o mamão papaya é estudado pela ciência. Os povos antigos, que viviam onde hoje é o México, já usavam o fruto no tratamento de várias doenças. Hoje, já se sabe que, entre vários benefícios, o mamão tem alto poder cicatrizante.

Para se ter uma ideia o extrato da casca já é utilizado até no tratamento de cáries.

Mas o que os cientistas da Universidade da Flórida fizeram foi aplicar uma espécie de chá das folhas do mamoeiro em dez culturas de células, com dez tipos de câncer diferentes.

Tinha câncer de útero, mama, fígado, pulmão, pâncreas e vários outros. É coisa de laboratório mesmo. As células ficaram em pratinhos de vidro mergulhadas no chá. Depois de 24 horas, os cientistas observaram que a velocidade do crescimento do tumor diminuiu em todos os casos.

Entretanto, isso não quer dizer que quem tem câncer deverá sair tomando chá de folha de mamoeiro. Ainda é uma pesquisa feita em laboratório, e, como várias outras, tem um longo caminho pela frente até virar tratamento eficiente em clínica e hospitais.

Ipsis litteris do post original no G1! » Mamão papaya ajuda no combate ao câncer

Câncer: mortalidade cai nos últimos 30 anos

Folha de São Paulo

As taxas de mortalidade por câncer caíram nos últimos 30 anos devido às melhoras no tratamento da doença e também no rastreamento, que possibilita o diagnóstico precoce. O dado é de um estudo americano publicado no periódico “Cancer Research”. O estudo revela que adultos jovens, entre 35 e 45 anos, tiveram a maior queda na mortalidade, com mais de 25% de redução a cada década.