Cuba anuncia primeira vacina contra câncer de pulmão

Produto é capaz de inibir o crescimento do tumor

Cuba registrou a primeira vacina terapêutica contra o câncer de pulmão avançado no mundo. De acordo com jornal oficial Trabajadores, que fez o anúncio nesta segunda-feira (10), mais de mil pacientes já estão em tratamento com a vacina nomeada CimaVax EGF.

A responsável pelo projeto, Gisela González, do Centro de Imunologia Molecular (CIM) de Havana, explicou que a vacina oferece a possibilidade de transformar o câncer avançado em uma “doença crônica controlável”.

Gisela explica que a CimaVax EGF é o resultado de mais de 15 anos de pesquisa direcionada ao tumor e não provoca efeitos adversos severos.

– A vacina é baseada em uma proteína que todos temos e que está relacionada com os processos de proliferação celular. Quando há câncer, [essa proteína] está descontrolada.

Gisela explicou que, como o organismo tolera “aquilo que é seu” e reage contra “o estranho”, foi preciso elaborar uma vacina que produzisse anticorpos contra essa proteína, que já é própria do organismo.

A vacina é aplicada no momento em que o paciente conclui a terapia com radioterapia e quimioterapia. Ela ajuda a controlar o crescimento do tumor sem causar toxicidade, explica a pesquisadora.

Além disso, a vacina pode ser utilizada como um tratamento “crônico que aumenta as expectativas e a qualidade de vida do paciente”. A pesquisadora declarou que, após alcançar seu registro em Cuba, atualmente o CimaVax EGF “progride” em outros países. Os médicos agora esperam poder utilizar a vacina para tratar outros tumores, como os de próstata, útero e mamas.

Ipsis litteris do post original no site do R7! »

Cuba anuncia primeira vacina contra câncer de pulmão

Só 10% dos casos de câncer de mama são hereditários

Fatores como consumo de álcool e menopausa tardia aumentam risco da doença

No Brasil, o câncer de mama é o que mais causa mortes entre as mulheres. Segundo dados do Inca (Instituto Nacional do Câncer), foram 11.735 óbitos em 2008. Alguns fatores aumentam o risco de desenvolver a doença, tais como ingestão regular de álcool, exposição a radiações ionizantes antes dos 35 anos, obesidade, primeira menstruação precoce, menopausa tardia, primeira gravidez após os 30 anos ou nuliparidade (não ter filhos), além de curto tempo de amamentação.

A história familiar também é um importante fator de risco, especialmente se uma ou mais parentes de primeiro grau (mãe ou irmã) tiveram a doença antes dos 50 anos. Mas, apesar disso, o câncer de mama de caráter hereditário corresponde apenas a 10% dos casos.

Afonso Nazario, do Departamento de Ginecologia da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo), diz que todas as mulheres precisam fazer o rastreamento da doença após os 40 anos.

– Muitas mulheres sentem-se seguras porque não têm casos na família. Mas a maioria adquire a mutação ao longo da vida.

Quando o tumor é diagnosticado e tratado ainda no início – ou seja, quando o nódulo na mama é menor que 1 cm – as chances de cura se aproximam de 95%. Nódulos desse tamanho, contudo, são pequenos demais para serem detectados por meio da apalpação, mas são visíveis na mamografia. É por isso que muitos especialistas têm recomendado a realização do exame em mulheres mais jovens.

Ipsis litteris do post original no site do R7! »

Só 10% dos casos de câncer de mama são hereditários